ISSN 2764-8494

ACESSE

Diálogos Transversais
Seu tempo de leitura: [rt_reading_time postfix='minutos' postfix_singular='minuto']

Carta ao Sujeito da modernidade – do lado de cá do mundo

por Claudio Barría Mancilla

O Ser, o Saber e o Poder no sistema-mundo moderno/colonial têm a sua História contada pelas tuas leis e pelas tuas instituições, e os livros que aprendemos a venerar relatam os heróis que se fizeram tais pelo teu olhar. Nunca nos viste e, hoje, incrédulo e atordoado pela cegueira do teu poder, sentes no ruir do teu orbe, o clamor do nosso potente canto improvável…

Tu que professas verdades, que falas a língua dos deuses, que vens nos ensinando, por todos os meios, com o lápis e o fuzil, com a fé e o punhal, que somos apenas eternos aprendizes da tua sabedoria, apenas reprodutores da tua grandeza, eternos subalternos desprovidos do espírito civilizatório que alimenta a essência do Ser, na monocorde plêiade do Deus branco que não dança;

Joaquín Torres García

Tu, portador das luzes que nos iluminaram e com as quais deveríamos iluminar os outros,

ali onde disseste pureza, nós dissemos mistura,

onde ensinaste a louvar a perfeição, aprendemos a amar o erro e o acaso,

enquanto defendias o ideal, aprendíamos a nos fazer humanos no chão,

onde disseste rigor, demos a ele outro tom a partir do inesperado,
onde colocaste normas, as humanizamos dispersando o tempo,

onde impuseste Apolo

escolhemos a dança de Exu com o Curupira e todos os orixás,

onde nos ensinavas a respeitar os direitos da “Pessoa Humana”, aprendíamos, sob o chicote e o olhar inquisidor de teus vassalos, que a dignidade pouco tem a ver com essa tal pessoa humana que desconhecemos, mas com o pão nas nossas mãos, a terra sob os nossos pés, o trabalho coletivo dos nossos, pelo qual nos fazemos e reinventamos, como a água que volta ao leito do seu rio trazendo os frutos da própria pescaria;

ali onde nos ensinaste e impuseste a tua monocultura religiosa, científica, filosófica, moral, ética, econômica, social, corporal e étnica, crescíamos teimosa e sub-repticiamente múltiplos, diversos, pluriversais, como filhas e filhos do Sol.

Tu, que negaste as nossas línguas e as definiste como “bárbaras”;

Denunciamos aqui a tua ciência como o ardil da ordem espúria dos pretensamente puros.

Assim, nas nossas indagações e diálogos, no nosso fazer criativo, haveremos de preferir caminhar no obscuro a continuar achando apenas aquilo que pode ser visto onde as luzes estão;

Nós, do sul, los de abajo, les damné de la terre, os condenados do sistema, nós, los nadies, impuros, diversos, confusos e apaixonados,

somos a sombra que a luz da modernidade projetou, somos a vida que ela, sem vê-la, por enxergá-la sempre ‘menos’, subalterna,

somos o silêncio milenar que, transfigurado em grito, anuncia um novo-ancestral.


(*) Este poema manifesto foi originalmente publicado como prefácio à Tese de doutorado Pela poética de uma pedagogia do Sul, que busca na estética e na memória da cultura rebelde da nossa América elementos para se repensar a educação em clave descolonial.

Claudio Barría Mancilla é Arte Educador, músico, diretor de Arte na Kangen, Doutor em Educação, Pesquisador do NIRA/ UERJ, e membro do Coletivo Pluriverso. Acesse aqui outras matérias do autor na Pluriverso.


Já que chegaste até aqui, queremos te convidar a conhecer melhor a Pluriverso. Além dos conteúdos da Revista Colaborativa Pluriverso, você encontrará Cursos, seminários, eventos, oferecidos pela nossa rede de Anfitriãs/ões além de Fóruns públicos e grupos de trabalho e debate autogestionados, ligados ou não a organizações e processos formativos. Sim, Você pode criar o seu.

Vem fazer parte dessa rede diferente, de gente com vontade de fazer do mundo um lugar melhor.

Matérias relacionadas

Já conhece a Pluriverso?

Assine gratuitamente o boletim Pluriverso Conspira
Não vamos encher sua caixa postal. Só o que importa!

ANFITRIÕES DA PLURIVERSO

Coletivos, organizações da sociedade civil, redes, artistas, ativistas, mestres populares e pesquisadores engajados, todos e todas, em suas causas e que, por isso, possuem um espaço na plataforma Pluriverso onde veiculam cursos, eventos, serviços ou produtos.

AVISO LEGAL

A Pluriverso é uma plataforma digital colaborativa, que recebe e publica conteúdos multimídia (textos, vídeos, etc.) em português e espanhol, sob licença Creative Commons BY-NC-SA 4.0. Como Recurso Educativo Aberto e mídia livre pautada na partilha, e em acordo ao licenciamento adoptado, estimulamos a remixar, adaptar e criar a partir do nosso conteúdo, desde que atribuído o devido crédito aos autores e ao veículo, e que as novas criações sejam licenciadas sob termos idênticos. Não é permitido o uso para fins comerciais, sem autorização explícita e por escrito.

Veja em detalhe o conjunto de padrões de uso contidos nesta licença https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/legalcode.pt.