Comunicação

ESG, a bola da vez!

Relatos, necessidade e a trajetória em prol da consciência coletiva em relação aos fatores sociais e ambientais.

Escrito por Nádia Rebouças

Inspirada pelas últimas lives sobre ESG, os critérios Ambientais, Sociais e de Governança Corporativa que entraram para o mundo empresarial, me coloquei em reflexão e no exercício de sentir, o que nesses tempos pandêmicos têm ampliado o meu olhar para a história. Sim, todos falam agora de ESG (do inglês, Environmental, Social and Governance), para que os negócios tenham maior sustentabilidade frente aos inúmeros desafios do planeta que não conseguimos mais negar. São ameaças ambientais, cada vez maiores com a emergência climática e sociais. A idade média, que vive ao lado da sociedade tecnológica, inclui a fome e a exclusão. São 17 ODSs – objetivos de desenvolvimento sustentável – para ter na cabeceira da cama- e ter certeza que destruímos muito e construímos pouca. Vamos ter que trabalhar muito agora e rápido. Empresas, teoricamente, sofrerão perda de investimentos e serão ao longo do tempo rejeitadas pelos consumidores se não se alinharem ao ESG.

Imagem referente a Nádia Rebouças
 Nádia Rebouças

Minha longa trajetória me faz desconfiar das novidades. Vivi a chegada do conceito de desenvolvimento sustentável na Rio 92. O ESG entra numa longa estrada por onde muitos conceitos, métodos e profissionais já desfilaram. Logo após a Rio 92 a responsabilidade social chegou às empresas brasileiras. O IBASE, ONG do Betinho que estava em foco por causa da Ação da Cidadania na luta contra a fome, lançou o Balanço Social, o pai dos relatórios de sustentabilidade. Surgiu o GRI, o Pacto Global e as Fundações Empresariais.

Através das fundações iniciou-se um pequeno diálogo entre empresas e as ONGs. A sociedade começou a cobrar as empresas: qual a sua razão social? Lucro, só lucro para os acionistas? Já naquela época, ou devo dizer… desde aquela época… se falava na importância da participação das empresas e da responsabilidade socioambiental das marcas. As matérias, artigos e cursos, já falavam do nascimento de um consumidor consciente, que levaria à morte aquelas marcas que não pensassem nos desafios sociais e ambientais. Black friday ganhou o Brasil bem depois disso.

Em 1993 nasceu o Instituto ETHOS para responsabilidade social, fundado por muitas empresas interessadas em tentar salvar nosso futuro, ou pelo menos estar em sintonia com a modernidade. Algumas empresas que lá estavam, foram consideradas corruptas anos depois, algumas desapareceram, outras perderam toda a força para o discurso, outras ainda estão ali. Passo a passo, as instituições foram criando metodologias, cursos, seminários, congressos, preparando as empresas para caminhar para o tal futuro responsável.

Nasceu também o GIFE, associação dos investidores sociais do Brasil, que reuniu as Fundações Empresariais que foram crescendo frente às novas demandas, Fundos Filantropos e grandes organizações do terceiro setor. As empresas, seus executivos, não conseguiam dialogar com as organizações da sociedade civil, as ONGs – organizações não governamentais. Surgiram profissionais nas fundações e foram esses que ajudaram a construir pequenas pontes entre os executivos e o mundo socioambiental. Criaram-se os indicadores, a abrangência das ações envolvendo fornecedores, e muitos outros passos que teoricamente fariam avançar a relação com as tais partes interessadas. Muita coisa se aprendeu, muitos conceitos nasceram como o triple botton line, stakeholders, muita organização internacional passou a avaliar as empresas e conferir selos de bom comportamento. Muitos artigos, livros, MBAs.

Os relatórios de sustentabilidade deixaram de ser apêndice e começaram a estar agregados aos relatórios das empresas. Lindas peças de comunicação, muitos profissionais se especializaram nos índices e construção desses relatórios. Os indicadores foram mudando, se sofisticando. Criou-se áreas de sustentabilidade nas empresas, algumas incorporaram esse desafio às suas áreas de marketing. Também pudemos ver, e até hoje vemos muita “maquiagem”.

No início dos anos 2.000 as empresas começaram a ser exigidas a dar maior transparência às suas atividades, não só ao que faziam com as suas “comunidades do entorno”, expressão que sempre me deu dor no estômago, confirmando que a percepção das empresas de que são o centro, cercada de um pobre entorno… mesmo que ele estivesse ali por 100 anos. As comunidades ou cidades do território do empreendimento foram, na maioria das vezes, um vizinho inconveniente. No entorno tinha e tem fome, lama, não tem esgoto, nem habitações decentes, tem culturas diferentes das vividas pela organização, e as escolas sempre se encontram em péssimas condições. Anunciavam empregos que chegariam, especialmente durante a construção do projeto, já que depois muitos terceirizados, que vem de longe, se agregam à localidade, gerando novos desafios. Aí começou também de forma tímida a observação sobre diversidade na empresa: quantas mulheres, em que posição, com que salário, quantos negros, o racismo, quantos deficientes?

Barra longa/MG – População atingida pelo rompimento da Barragem do Fundão da Samarco/Vale/BHP Billiton.

O modo de vida das populações tradicionais sempre desafiou a cultura das organizações porque podem impedir e complicar a expansão dos negócios. As licenças ambientais, as audiências públicas viraram um desafio, a exigência de dialogar, e não simplesmente criar processos e procedimentos. As audiências públicas nunca foram confortáveis para as empresas. Surgiram novas áreas, departamentos e novos profissionais para cuidar do “entorno”: projetos sociais, ambientais e culturais, as tecnologias sociais.

Eu vivi e estive em vários lugares dessa trajetória. Com muita esperança e entusiasmo, na maioria das vezes. Nas palestras e aulas apresentava os desafios para as lideranças, a maioria precisava levar “um tapa na cara” para acordar. O “tapinha” que eu dava era cheio de carinho… eu percebia que, a inconsciência no plano individual sobre a realidade social, funcionava, muitas vezes, como um protetor. Dói ver a realidade. O trabalho, muitas vezes produz dor. Dói recebermos as metas que temos que atingir: remover 2.300 famílias da sua localidade, de suas casas, ou se preparar para a chegada de 30.000 empregados de outras regiões do país, quase sempre terceirizados, numa cidade do interior do nordeste ou norte, que tem 25.000 habitantes… O que vai acontecer com a cidade? Não tem infraestrutura. O que vai acontecer com as pessoas? Com as adolescentes? Um prefeito me perguntou uma vez: quantos filhos esse projeto vai me dar? E com o meio ambiente, a fauna, a flora?

Pensar, e pior ainda, sentir a dor de todos os atingidos, pode acionar crises pessoais. A culpa pode ser acionada. É mais fácil disfarçar, não escutar, não olhar… como os conhecidos três macaquinhos. Vi muitos profissionais entrarem em crise após vivências como essas. Quando a realidade se escancara, nossos valores podem gritar! Podemos fazer diferente?

Algumas histórias jamais esquecerei. E como tenho histórias! Talvez você goste de histórias:

O dia que vi muito engenheiro chorar

Uma grande empresa brasileira estava lançando seu programa de responsabilidade social. Minha agência de comunicação foi contratada para criar um evento impactante. Convidei Leonardo Boff para ser o palestrante e um músico, grande amigo, que havia feito uma linda canção sobre a Menina Terra. Ele entrou pelo grande salão já cantando, junto com uma moça que tinha voz de anjo. Ele passava pelo auditório e eu sentia os corações, dos colaboradores, sentados na plateia, começarem a sentir bater seus corações de fato. Chegou ao palco quando a música terminou e foi saindo de cena… uma atriz adolescente do Nós do Morro, projeto teatral que atua até hoje no Vidigal, entrou em cena e declamou uma poesia sobre a menina Terra. Eu e meu marido, diretor de criação, havíamos feito a poesia na emoção de preparar o evento. Ela declama a poesia e Leonardo Boff é revelado por um spot de luz. Vai para a beira do palco e com a voz calma e emocionada falou por uns 20 minutos sobre Gaia. Eu olhava para a plateia – não para todos que assistiam – já que o evento foi transmitido para os sites da empresa em todo o Brasil. Olhava os engenheiros ali na minha frente, vi que muitos estavam emocionados, alguns deixaram suas lágrimas escorrerem, sem vergonha, enquanto ouviam as palavras do querido Boff. Quando tudo acabou um rapaz emocionado veio me perguntar quem havia criado o evento e me deu um abraço: – Foi o evento mais lindo que essa empresa já viu! Sei que foi um dos mais lindos e saí dali com muita esperança. Hoje, conhecendo a história da empresa a partir daí, nos quase 30 anos que se passaram, fico aqui me perguntando… Como estarão? Estudando o ESG? Certamente são outros profissionais que estão entusiasmados e dizendo: vamos mudar!

Sim, tenho que blindar a empresa!

Foi essa a frase que ouvi como resposta ao meu início de conversa sobre o papel do profissional de RSA na empresa. Eu tinha sido contratada para dar aula sobre responsabilidade socioambiental e estava ali falando para profissionais de uma grande empresa, numa área sensível, de impacto ambiental. Não sei se o que mais me espantou foi ouvir esse colaborador falar a frase do título ou se o silêncio de todos os outros! Parei a aula. A conversa precisava ser muito mais profunda sobre essa primeira pergunta. Conhecendo as corporações e os desafios internos até dá para entender acidentes, alguns que nem podíamos imaginar que aconteceriam! A meta e o bônus, num palco de chefes pode levar à cegueira de humanidades.

Gerar nova consciência nas estruturas hierárquicas e burocráticas das corporações não é um desafio fácil.

Quantos consegui tocar? Em quantos plantei a sementinha da nova visão? Essa dúvida não me deixa ter orgulho dos anos de luta. Mudamos? Sim, de fato, a cada novo passo nos transformamos um pouco, mas estão aí os relatórios e pesquisas, sejam sociais ou ambientais, que demonstram os nossos passos de tartaruga, apesar de tanta tecnologia que já desenvolvemos para enfrentar, por exemplo, a emergência climática. Temos que aprender a abdicar… do centro, da empresa no centro, do lucro pelo lucro, do consumo exagerado de tudo, de lixo ser lixo etc. e etc. As 17 OSDs falam de tudo que precisamos mudar. E o desafio é imenso! Para mudarmos temos que desapegar, e como o desapego é difícil!

O silêncio fala!

Faria uma palestra para transformação de líderes de uma grande organização para a área de sustentabilidade da empresa. Fiz uma pesquisa com os líderes para entender o cenário. Na sua maioria me declararam que a empresa era muito jovem e, portanto, era cedo para pensar nessa em projetos sociais e ambientais. Um desperdício de recursos. Alguns respondiam, sem entusiasmo algum, que era preciso. Sugeri à área de responsabilidade socioambiental da empresa avaliar os projetos sociais, onde a empresa atuava. Meu trabalho foi ampliado e lá fui à cidade onde poderia conhecer os projetos e conversar com os beneficiários. Encontrei, nos grupos escutados, um grande agradecimento à empresa! Quanto entusiasmo no grupo de mulheres que receberam recurso para reforma de seu espaço e a compra de máquinas de costura que possibilitaram gerar renda e criar uma cooperativa! Quanta felicidade das crianças e adolescentes com os projetos culturais e esportivos! O grupo de adolescentes me surpreendeu ao final do encontro. Cantaram uma música de agradecimento à liderança da empresa e me pediram para levar a eles. Peguei o celular e gravei a cantoria.

Estava em Búzios, num hotel cerca de um mês depois. Chegou o dia da palestra para a liderança da empresa. Ali estavam cerca de 90 líderes, que nunca tinham visitado os projetos sociais da empresa onde trabalhavam. Mal conheciam os projetos.

O melhor resultado da palestra foi medido pelo absoluto silêncio que se abateu sobre a plateia depois que terminei minha fala e soltei o vídeo com a canção de agradecimento dos meninos e meninas. Olhei, apenas olhei para eles, e terminei: – obrigada. Lembro das palmas e da alegria da executiva que me contratou. Pude sentir a onda de vergonha que tomou conta do auditório. Hoje essa executiva já não trabalha em corporação. Trabalha para mudar o mundo!

Sim, vamos para o ESG. Mas conscientes de que inventar novos conceitos, indicadores, formatos de prestar contas de nossas ações, são apenas parte da história, mas não toda a história. Não temos mais muito tempo e é preciso FAZER. É preciso querer fazer diferente. É preciso que executivos, líderes e a governança da empresa estudem humanidades. Consigam, de verdade, escutar as diferentes vozes da nossa sociedade, que percebam as diferentes culturas e a diversidade do nosso planeta de forma geral. Que reflitam sobre vida, e não só sobre lucro. Queiram que a Terra continue a ser nossa casa, sem nos expulsar, como parece que ela vem fazendo.

A capacitação em humanidades certamente incluirá novas experiências de vida. Só respeitamos o que conhecemos. Visitar uma favela, conversar com uma criança negra, uma família que passa fome, olhar para os colaboradores da sua empresa. Converse! Leve um dedo de prosa com um indígena, um gari. Plante, se não der para ser uma árvore, que seja uma plantinha pequena. Compre uma orquídea e deixe que ela renasça no próximo ano, dando uma lição de vida. Não basta ler, estudar, fazer tabelas de Excel. Vamos estudar o ESG sim, vamos planejar o caminho da transformação, mas vamos descobrir tempo para olhar a vida, sentir a vida. Experimente o momento presente, onde estiver, mas ative o modo observação. Isso vai fazer a diferença. É preciso profissionais de transformação de consciências. A urgência na construção de um novo modo de viver exige desenvolver estratégias para transformação das pessoas. O antropoceno precisa ser encarado. Ele atinge pessoas e empresas. Cansei de arrogância.

Ainda estou por aqui e vou continuar a luta. Como Krenak, detestaria ver um pedaço da floresta amazônica cercado, com fauna, flora e gente dali, para que meus bisnetos pudessem saber, como num museu, como foi Gaia. O movimento é lento, mas parece contínuo. Quero ficar animada e acreditar que as pessoas serão capazes de realizar transformações nas empresas e nas suas vidas!

Nós temos que experimentar ser humano e reconstruir o pacto com a vida!

Talvez ainda dê tempo, se formos rápidos!

Airton Krenak, líder indígena, no livro “Ideias para adiar o fim do mundo”:

“…. é como se bastasse manter alguns lugares como amostra grátis da Terra. Se sobrevivermos vamos brigar pelos pedaços de planeta que a gente não comeu e os nossos netos e tataranetos vão poder passear para ver como era a terra no passado”.


Para se envolver mais com conteúdos relacionados ao texto, você pode acessar os fóruns da Pluriverso e abrir um novo debate dentro da curadoria de conteúdo Comunicação.


* Nádia Rebouças é Consultora de Comunicação para Transformação e parte do Coletivo Pluriverso. É colunista da Plurale e colaboradora da Revista Pluriverso.

Matérias relacionadas

Conheça os Cursos, Seminários e Eventos da Pluriverso

Receba as novidades

Assine nossa newsletter e faça parte da rede Pluriverso.

Apoie o Pluriverso

Faça parte da rede de co-financiamento solidário.

Assine de forma gratuita e mantenha-se atualizado. Não vamos encher sua caixa postal. Só o que importa!