loader image

ACESSE

Cultura Viva
Seu tempo de leitura: 7 minutos

Criança, natureza e cultura da criança

Por Lydia Hortélio

Lydia Hortélio e a cultura das infâncias brasileiras - Portal Aprendiz
Foto retirada do Portal Aprendiz

As formas de convívio, a relação das nossas crianças com a natureza, as descobertas e invenções, o aprendizado que fazem os Meninos do Mundo entre eles mesmos desde sempre, constituem o que podemos chamar Cultura da Criança, Cultura Infantil, ou seja, o conjunto dos fatos culturais da Infância: as experiências em plenitude e liberdade do Ser-Humano-Ainda-Novo. Este patrimônio se forma ao longo de nossa meninice, constituindo um corpo de conhecimento – um conhecimento com o corpo – que transmigra de geração em geração para além das fronteiras e idades, e chega até nós muito simplesmente, através dos Brinquedos de Criança, representando tudo de mais sensível e fundamental que possui a cultura de um Povo, aquilo que o faz sorrir.

Tecida na interação da Criança consigo mesma, com a outra e com o Mundo, a Cultura Infantil é vária, única e una em cada gesto, e a Criança, infante que é de sua espécie, necessita, como todas as outras, do espaço natural para exercer movimento próprio e inaugurar com vigor, suavidade e alegria seus talentos infinitos.

Fotografia: ISTOCK

Façamos um parêntesis rápido para considerar como são – ou não são – planejadas nossas moradias e escolas, onde, paradoxalmente, apenas em poucos casos, podemos reconhecer a possibilidade da presença alegre de nossos Meninos. De um modo geral, são lugares sem Beleza, sem árvores, sem condições favoráveis à expansão de seu movimento, do feliz intercurso entre seus pares, das possibilidades de manifestação do imprevisível e inesperado…

A Natureza é necessária às nossas crianças para que haja afirmação de vida e crescimento. Não se pode pensar em educação, Educação verdadeira, se elas estão afastadas de seu habitat natural. Fora dele as crianças são fadadas a imensos desconfortos, desajustes intermináveis, uma cadeia de equívocos que só poderão ser sanados se reconduzirmos-nas à sua legítima casa: a Natureza. Ela é o espaço primordial, portador da Vida, com suas múltiplas dimensões e desafios.

Todos nós sabemos do poder inspirador, quase misterioso, que a Natureza exerce sobre nós: a gente pisa com cuidado e se sente diferente, se temos a relva fresca sob nossos pés, se caminhamos na areia da praia e sentimos a brisa do mar e o marulhar das ondas, se ouvimos o barulho da chuva e o cheiro de terra molhada, o gosto do mel no perfume da flor de candeia, o silêncio da noite sob as estrelas do céu infinito…

Quem tem encontro marcado com a Lua?! Mas a Natureza nos faz rever nossas necessidades e aponta, de maneira irreversível, a urgência que se evidencia, cada vez mais, de voltarmos ao Paraíso, encorajando-nos a defender para nossas Crianças e para o futuro do Mundo, a experiência da Vida em união com o Todo.

Para sermos sinceros, e muito simples, é preciso reconhecer que uma Educação Ambiental começa com a volta à Natureza. Já não podemos continuar lendo livros e pregando Ecologia a perder de vista. Urge passarmos da letra a uma ação efetiva que venha reconquistar nosso habitat natural. Num país de 8.500.000 Km2, isto não deveria ser um problema, antes uma predestinação! É preciso estar em meio às árvores, voltar a respirar ar puro, ouvir o canto dos pássaros, sentir o movimento do ar e das águas, o significado de sol e sombra, reparar nas cores e nas formas da Natureza, aprender ritmo e proporção, pulsar junto, compreender com o corpo, enfim, restabelecer a Natureza em nós mesmos.

Crianças brincando com pedrinhas / Crédito: Lydia Hortélio

E é preciso aspirar de forma viva e unificada, tendendo para o exercício da contemplação, a percepção da Inteligência na Criação, a Interligação de tudo com tudo, e viver com Alegria! As Crianças, tão cheias de Vida como são, existem em inteireza: sentimento, pensamento, ação, e além… são uma única e só coisa. É perfeita a economia das dimensões da vida humana quando se é criança. Aqui se fazem oportunas as palavras de Friedrich Schiller, esteta e filósofo alemão:

O Homem só é inteiro quando brinca,
e é somente quando brinca que ele existe
na completa acepção da palavra Homem.

Nesta magnífica afirmação que consagra o valor do Brincar e a grandeza do Ser Humano, está implícito o problema da Liberdade. Podemos trabalhar sem vontade, mas ninguém brinca sem querer! E é preciso completo assentimento. Em chão da mais absoluta liberdade e autonomia, ocorre, ao mesmo tempo, a mais perfeita obediência. Um enigma, paradoxo? Apenas a união dos opostos, harmonia no conflito, o mistério da Unidade e mistério nenhum, mas a Vida em plenitude e liberdade, a Cultura do Ser-Humano-Ainda-Novo: uma cultura do essencial. A Criança é ligada organicamente ao núcleo interno da Vida, e nutre, espontaneamente, esta relação. No Brincar fecha-se o círculo mágico da Vida: eu, o outro, o Mundo, e o Universo que se dão as mãos: Abra a Roda, tin dô lê… Tão natural, e necessário!

Diante das condições severas que vivemos hoje em dia, principalmente nas cidades grandes, brincar tornou-se um problema! Sofremos com a saudade de nós mesmos, e parece impossível furar o cerco. Chegamos a um ponto extremo, só nos resta a virada! É hora de afirmar o que sonhamos. O obstáculo é a alavanca, e o ponto de apoio está no brilho dos olhos de uma Criança que brinca…

A Cultura da Criança se faz brincando… Brincar é o que ela mais sabe, mais pode, e mais quer. É festa, caminho, promessa, Destino! E para brincar, é necessário “o lugar de brincar”… Levanta- se então, mais uma vez, o espaço natural, como elemento propulsor e condição que mais favorece e “puxa” o movimento Dentro. É na Natureza que a Criança melhor brinca e manifesta mais amplamente seu potencial criador.

Gostaria de afirmar, finalmente: Brincar é a língua da Criança e a respiração de sua Alma! E a fórmula seria: Criança com Criança, na Natureza! Urge empreendermos uma ação significativa que venha restituir às nossas Crianças o direito ao seu verdadeiro habitat. Isto exige de todos nós uma consciência clara e adesão firme à causa das Crianças.

Precisamos contar, impreterivelmente, com o esforço conjugado, e incondicional, de políticas públicas inteligentes e generosas. É necessário integrar nossas Escolas aos Parques e Reservas Ecológicas, além de proceder ao remanejamento dos espaços físicos escolares, provendo-os de árvores e condições favoráveis ao movimento das Crianças, à sua saúde e alegria, à sua Vida.

Menino sorri ao mostrar um animalzinho feito com mangas verdes e gravetos.
Fotografia: Roquinho

Vivemos uma época em que a questão ecológica não é mais desconhecida, e o esforço da humanidade civilizada é cada vez mais consciente, no sentido de buscar soluções para o descaminho que engendramos e que urge corrigir. Brincar tornou-se uma questão ecológica e diz respeito à sobrevivência da espécie. Que será de uma Humanidade que não vier a conhecer Infância? De que húmus haverá de crescer? Que Sonhos abrigará? Defender para nossas Crianças o direito de Brincar, é trabalhar, efetivamente, pela Liberdade e pela construção do Homem Novo: um Ser que se descobre divino em sua condição humana, ao perceber-se na interação consigo mesmo, com o outro e com o Mundo. Nossas Crianças disto são mestras!

Cada um precisa fazer sua parte, buscando salvar para nossa geração e para as gerações futuras, os espaços naturais que nos restam, ameaçados, como se encontram, de deterioração e perdas irreparáveis. Eles deverão tornar-se Jardins de todos e de cada um, e currículo avançado dos mais altos ideais de Vida e Conhecimento, a estender-se para todas as nossas Escolas através de ampla ação educativa, representando uma política pública de valor, que venha cumprir a necessidade clamorosa que se levanta há muito tempo em nosso País, de prover a Infância Brasileira dos espaços de Natureza a que têm direito. É preciso que se compreenda a Criança com saúde, graça, e o coração em Festa!

O Prof. Agostinho da Silva, um sábio nascido em Portugal que viveu entre nós e tanto amou o Brasil, levantou a imagem da Criança em vários momentos de sua obra, alertando, incisivamente, para “a revolução que falta”, aquela da Criança alçada ao Poder, à guiança dos Povos, e que se insinua por todo o território nacional, de norte a sul, de leste a oeste, como a Rosa dos Ventos, encoberta na mensagem das Festas do Divino, uma tradição portuguesa largamente difundida entre nós, onde se coroa um Menino Imperador do Mundo, soltam-se presos, e dá-se comida a todos, festejando o Reino do Espírito Santo e a Criança, artífice maior da Liberdade e do Amor, esperança do Mundo. Não seria hora de passarmos do símbolo a uma ação consequente que venha tornar o Sonho quotidiano, fazendo-se justiça à Criança, levando-a, finalmente, a cumprir seu Destino?

Levemos nossas Crianças para a Natureza, restituamos a elas o seu Reino, e confiemos que se cumpra sua Lei Maior: o Brincar, e a Liberdade; sua índole generosa: a Alegria, e o Amor; sua espiritualidade inata: a Busca, e a Contemplação.

Assim fazendo, estaremos construindo o Mundo Novo, que está à porta, à espera apenas de ser acolhido com o Coração. Não é impossível, e é tudo que mais queremos: por que não – FAZERMOS?

Casa das 5 Pedrinhas… Salvador, Bahia


* Lydia Maria Hortélio Cordeiro de Almeida é educadora e musicóloga brasileira. É uma referência na área dos estudos e práticas da Cultura da Infância.  


Publicado originalmente em Jornal Tema Livre, Bahia, julho 2002, ano V, n 53, Instituto Anísio Teixeira, SECBA/ Secretaria de Educação e Cultura do Estado da Bahia.


(*) Foto de capa de @camila_r_leite


Convidamos você a participar do fórum Cultura Viva, dentro da plataforma Pluriverso, onde podemos criar debates específicos para a Cultura da criança. É só criar seu perfil, se ainda não tiver um.

Matérias relacionadas

Política do algoritmo

Por Emanuele Braga Em 1972 um personagem um tanto excêntrico chamado Stafford Beer foi convidado pelo governo de Salvador Allende, no Chile, para dar início...

Já conhece a Pluriverso?

Assine de forma gratuita e mantenha-se atualizado. Não vamos encher sua caixa postal. Só o que importa!

ANFITRIÕES DA PLURIVERSO

Coletivos, organizações, redes, artistas, ativistas, mestres populares e pesquisadores que possuem um espaço na plataforma Pluriverso onde veiculam cursos, eventos, serviços ou produtos, além de mediarem debates públicos e grupos de debate.

AVISO LEGAL

A Pluriverso é uma plataforma digital colaborativa, que recebe e publica conteúdos multimídia (textos, vídeos, etc.) em português e espanhol, sob licença Creative Commons BY-NC-SA 4.0. Como Recurso Educativo Aberto e mídia livre pautada na partilha, e em acordo ao licenciamento adoptado, estimulamos a remixar, adaptar e criar a partir do nosso conteúdo, desde que atribuído o devido crédito aos autores e ao veículo, e que as novas criações sejam licenciadas sob termos idênticos. Não é permitido o uso para fins comerciais, sem autorização explícita e por escrito.

Veja em detalhe o conjunto de padrões de uso contidos nesta licença https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/legalcode.pt.